Busca no Site
 
Página Inicial Agenda de Eventos Pedido de Oração Webmail Contato
Institucional
Cursinho - Renovação
Grupos de Oração
Agenda de Eventos
Galeria de Eventos dos Grupos
Galeria de Fotos
Galeria de Áudio
Galeria de Vídeo
Formação
Artigos Dom Anuar
Mensagem do Dia
Link's Úteis
Downloads
Webmail
Contato
ASSESSOR ECLESIÁSTICO
CENTRO DIA JOÃO PAULO II
CENTRO FORMAÇÃO KAIRÓS
COMUNICAÇÃO SOCIAL
COORDENADOR DIOCESANO
CRIANÇAS
CURA E LIBERTAÇÃO
CURSO PRÉ-VESTIBULAR
FAMÍLIAS
FÉ E POLÍTICA
FORMAÇÃO
INTERCESSÃO
JOVEM
LITURGIA
MECE
MÚSICA E ARTES
PREGAÇÃO
PROMOÇÃO HUMANA
SEMEADORES
UNIVERSIDADES RENOVADAS
MENSAGEM DO DIA - 07/10/2017
NÓS, A IGREJA E TODA A TERRA, SOMOS A VINHA DO SENHOR

Pe Leomar Antônio Montagna
Paróquia Santo Expedito - Maringá
Clique para ampliar a foto
Grupos de Oração: 

JACS

Domingo, Paróquia Santo Expedito, 20h00.


Reflexo

Terça-Feira, Paróquia Santo Expedito, 20h00.


Santo Expedito

Domingo, Capela São Jerônimo, 20h00.


 

Na Liturgia deste Domingo, XXVII do Tempo Comum, na 1a Leitura (Is 5, 1-7), o profeta Isaías, por meio da parábola da vinha, narra a história do amor de Deus e a infidelidade do seu Povo. Deus, o dono da vinha, fez de tudo para que o povo vivesse o direito e a justiça, mas o povo só produziu violação do direito, injustiça, corrupção e violência. A decepção foi grande: a vinha só produziu uvas azedas. Carregado de emoção, o dono da vinha diz: "Que mais poderia eu ter feito por minha vinha e não fiz?" Então, ele reage: derruba o muro de proteção, permite que os transeuntes a pisem, invadam-na (Assírios e Babilônios) e a destruam, deportando os israelitas como escravos.

 

O Evangelho (Mateus 21, 33-43) retoma o mesmo tema da vinha, em ambas as parábolas; nós, a Igreja e toda a terra, somos a vinha do Senhor. Deus nos ampara de muitas formas, investe muito em nós e, por isso, espera mais. “A quem muito foi dado, muito será exigido; e a quem muito foi confiado, muito mais será pedido" (Lc 12, 48). O que ele espera de nós? “Louvores? Cultos? Liturgias? Ritos? O Pai, dono da vinha, não muda, continua querendo frutos. Do que Ele sente falta? Que frutos produzimos? Nossas celebrações levam ao compromisso com a justiça e à transformação da sociedade?

O Papa Francisco, na Evangelii Gaudium (A Alegria do Evangelho), nos fala sobre a liturgia e o compromisso social, tecendo um juízo negativo com relação aos que têm um cuidado ostentoso com a liturgia, a doutrina e o prestígio da Igreja, mas nem tanto com a inserção real do Evangelho nas necessidades das pessoas. Esta é uma grande corrupção com aparência de bem.

Nalguns, há um cuidado exibicionista da liturgia, da doutrina e do prestígio da Igreja, mas não se preocupam que o Evangelho adquira uma real inserção no povo fiel de Deus e nas necessidades concretas da história... Quem caiu nesse mundanismo olha de cima e de longe, rejeita a profecia dos irmãos, desqualifica quem o questiona, faz ressaltar constantemente os erros alheios e vive obcecado pela aparência... Deus nos livre de uma Igreja mundana sob vestes espirituais ou pastorais (EG, 95 e 97).

Se os textos da vinha nos dizem que nós somos os vinhateiros responsáveis pelo crescimento e condução da vinha, como foi que ela virou terra devastada pela miséria, fome, corrupção, ódio, violência, guerra e morte? O que estamos fazendo com a “pátria amada”, o Brasil, outrora terra feliz, mas que agora está correndo o risco de virar vinha devastada pela corrupção, pelo egoísmo, pela ambição, pela mentira, pelo preconceito, pela violência de uns e pela indiferença de outros? Nele deveria reinar o direito, mas vigoram impunemente as arbitrariedades, deveria florescer a justiça, mas eis que ela é parcial e causa de derramamento de sangue dos mais fracos e injustiçados. Os vinhateiros homicidas não querem ouvir a voz profética, vivem num egoísmo absoluto, colocam seus interesses pessoais acima de tudo, por isso qualquer mensagem contrária aos seus interesses é incômoda; vivem fechados à voz de Deus que quer falar aos seus corações, por isso “o Reino de Deus lhes será tirado e será entregue a um povo que produza frutos”. Agora, só nos resta esperar por novos vinhateiros que acolham a mensagem do Filho enviado.

 

Na 2ª Leitura (Fl 4, 6-9), vemos que o apóstolo Paulo, na prisão, em meio a conflitos e sofrimentos, não se brutaliza e nem perde a ternura. Paulo apresenta virtudes concretas que os cristãos devem cultivar. São os frutos que Deus espera de sua vinha.

 

Boa reflexão e que possamos produzir muitos frutos para o Reino de Deus.

 

Pe. Leomar Antonio Montagna

 | OUTRAS MENSAGENS | »    21/10/2017 - O ALTAR DO LEIGO: TRANSFORMAR AS REALIDADES TEMPORAIS... »    20/10/2017 - Devemos ser fermento na massa... »    16/10/2017 - O banquete da justiça e seus convidados... »    07/10/2017 - NÓS, A IGREJA E TODA A TERRA, SOMOS A VINHA DO SENHOR... »    29/09/2017 - São Gabriel, Rafael e Miguel; rogai-por nós!... »    28/09/2017 - VAMOS CAMINHAR?... | TODAS AS MENSAGENS | 
 
Facebook

RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA - ARQUIDIOCESE DE MARINGÁ

Rua Topázio, 732 - Jardim Real

Maringá - Paraná

Fone: (44) 3026-8811

E- mail: rccmaringa@gmail.com