Busca no Site
 
Página Inicial Agenda de Eventos Pedido de Oração Webmail Contato
Institucional
Cursinho - Renovação
Grupos de Oração
Agenda de Eventos
Galeria de Eventos dos Grupos
Galeria de Fotos
Galeria de Áudio
Galeria de Vídeo
Formação
Artigos Dom Anuar
Mensagem do Dia
Link's Úteis
Downloads
Webmail
Contato
ASSESSOR ECLESIÁSTICO
CENTRO DIA JOÃO PAULO II
CENTRO FORMAÇÃO KAIRÓS
COMUNICAÇÃO SOCIAL
COORDENADOR DIOCESANO
CRIANÇAS
CURA E LIBERTAÇÃO
CURSO PRÉ-VESTIBULAR
FAMÍLIAS
FÉ E POLÍTICA
FORMAÇÃO
INTERCESSÃO
JOVEM
LITURGIA
MECE
MÚSICA E ARTES
PREGAÇÃO
PROMOÇÃO HUMANA
SEMEADORES
UNIVERSIDADES RENOVADAS
MENSAGEM DO DIA - 12/08/2017
IGREJA EM SAÍDA: DE ONDE - PARA ONDE?

Pe Leomar Antônio Montagna
Paróquia Santo Expedito - Maringá
Clique para ampliar a foto
Grupos de Oração: 

JACS

Domingo, Paróquia Santo Expedito, 20h00.


Reflexo

Terça-Feira, Paróquia Santo Expedito, 20h00.


Santo Expedito

Domingo, Capela São Jerônimo, 20h00.


 

Na Liturgia deste Domingo, XIX do Tempo Comum, veremos, na 1a Leitura (1Rs 19, 9ª.11-13a), que o profeta Elias se encontra na seguinte situação: tem a vida ameaçada e, no meio das dificuldades, sente o peso da missão, sente que esta é superior às suas forças, mostra sinais de desânimo e deseja morrer. Fica com medo e foge em busca de um sentido para vida.  Por que Elias sofria? Havia se consumido pelo povo que abandonara a Aliança, agora, ele era rejeitado: “Elias entrou na gruta da montanha, e aí passou a noite. Então, o Senhor lhe dirigiu a palavra, perguntando: Elias, o que é que você está fazendo aqui? Elias respondeu: o zelo por Javé dos exércitos me consome, porque os israelitas abandonaram a tua aliança, derrubaram teus altares e mataram teus profetas. Sobrei somente eu, e eles querem me matar também” (1Rs, 19,9-10). O povo havia pecado, ao aderir ao deus Baal (manifestação sensacional, espetáculo): deus do raio, tempestade, furacão, terremoto. Elias desmascara tal tendência, era o ‘demolidor’, por isso sofre as consequências, então teve que mudar sua mentalidade sobre Deus (precisou abastecer a alma – alimentar-se de pão). Foi chamado a fazer novas experiências e, nem sempre, na forma tradicional. Onde está o segredo da força dos profetas? Por que são capazes de fazer novas experiências? A brisa suave que ele experimentou foi a fonte que sacia, a mística, a oração, o retiro, a vida inserida na Igreja. A brisa suave é a força de Deus e a intimidade de seu trato com os profetas e amados. Elias percebeu Deus nos sinais dos tempos e a tudo deu graças (1Ts 5,18).   Na 2ª Leitura (Rm 9, 1-5), o apóstolo está passando por grande sofrimento. Por quê? “Tenho no coração uma grande tristeza e uma dor contínua”. Porque seus ‘parentes’, que receberam as maiores provas, resistem e rejeitam o Projeto de Deus. Isto criava obstáculos à própria evangelização no meio dos pagãos. Então, Paulo põe em jogo a própria vida para salvar seu povo: segregado (separado, amaldiçoado), assim como Moisés que intercede pelos pecados do povo: “ou perdoa o pecado deles ou risca-me do livro da vida” (Ex 32,32).   No Evangelho (Mt 14, 22-33), vemos que Deus sempre está presente, não só quando tudo vai bem: “Feliz o homem que suporta com paciência a provação! Porque, uma vez provado, receberá a coroa da vida, que o Senhor prometeu àqueles que o amam” (Tg 1,12). Neste texto, Jesus manda (força, obriga) os discípulos irem para o outro lado do mar. A comunidade deve sair em missão e levar o ideal da partilha. Jesus, também, orou a sós, pelo êxito da missão. Qual seria o conteúdo? “Pai guarda-os em teu nome; que sejam um... Guarda-os do mal... Eu te louvo Pai...” (Jo 17). O texto relata, ainda, que o vento agitava as ondas e a barca com os discípulos corria o risco de não chegar ao fim. Somente com suas forças, pereceriam. Nas crises e medos, e não vendo Jesus nos acontecimentos, eles veem fantasmas (andar sem luz), isto é, não enxergam chances de salvação, pensam o pior. Diante dos perigos e dificuldades, não caberia apelar para outros poderes? Jesus então se aproxima e lhes fala: “Coragem! Sou eu. Não tenham medo!”  Pedro deseja andar sobre as águas, isto é, deseja participar da condição divina, mas, logo, começa a afundar. Por que Pedro afunda? Sente o vento contrário, tem dúvidas, fracassa na fé, pois olha mais para si mesmo do que para Jesus, se detêm mais nas dificuldades do que nas virtudes. Participar da condição divina é superar os desafios, sem pretender que Jesus resolva tudo com um milagre mágico. O milagre é caminhar em meio aos desafios. Com Jesus no barco, o vento cessou, acalmou. A memória da presença de Deus é determinante para atravessar qualquer obstáculo. Jesus sempre caminha conosco, nós que, às vezes, não percebemos.   Boa reflexão e que possamos produzir muitos frutos para o Reino de Deus.
 | OUTRAS MENSAGENS | »    16/10/2017 - O banquete da justiça e seus convidados... »    07/10/2017 - NÓS, A IGREJA E TODA A TERRA, SOMOS A VINHA DO SENHOR... »    29/09/2017 - São Gabriel, Rafael e Miguel; rogai-por nós!... »    28/09/2017 - VAMOS CAMINHAR?... »    25/09/2017 - Proprietário da vinha é justo com os trabalhadores... »    23/09/2017 - NÃO A UMA ECONOMIA DA EXCLUSÃO E A UMA GLOBALIZAÇÃO DA INDIFERENÇA... | TODAS AS MENSAGENS | 
 
Facebook

RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA - ARQUIDIOCESE DE MARINGÁ

Rua Topázio, 732 - Jardim Real

Maringá - Paraná

Fone: (44) 3026-8811

E- mail: rccmaringa@gmail.com