Busca no Site
 
Página Inicial Agenda de Eventos Pedido de Oração Webmail Contato
Institucional
Cursinho - Renovação
Grupos de Oração
Agenda de Eventos
Galeria de Eventos dos Grupos
Galeria de Fotos
Galeria de Áudio
Galeria de Vídeo
Formação
Artigos Dom Anuar
Mensagem do Dia
Link's Úteis
Downloads
Webmail
Contato
ASSESSOR ECLESIÁSTICO
CENTRO DIA JOÃO PAULO II
CENTRO FORMAÇÃO KAIRÓS
COMUNICAÇÃO SOCIAL
COORDENADOR DIOCESANO
CRIANÇAS
CURA E LIBERTAÇÃO
CURSO PRÉ-VESTIBULAR
FAMÍLIAS
FÉ E POLÍTICA
FORMAÇÃO
INTERCESSÃO
JOVEM
LITURGIA
MECE
MÚSICA E ARTES
PREGAÇÃO
PROMOÇÃO HUMANA
SEMEADORES
UNIVERSIDADES RENOVADAS
ARTIGO DOM ANUAR
Política, Igreja e combate à corrupção

Neste momento de campanha eleitoral, renova-se a oportunidade de continuar avançando no combate à corrupção. A pior posição seria o descrédito: “Não adianta votar, todos são iguais, nada vai mudar, são todos corruptos”.

 

A nossa história oferece bons exemplos de lutadores pela conquista da democracia e de grande capacidade de superar crises de todo tipo. O nosso compromisso de cidadãos não é só apertar um botão, exige discernimento, e corresponsabilidade.

Escolha e voto, são duas situações que revelam o exercício da cidadania diante da realidade que temos e aquela que queremos.

 

A Palavra de Deus nos relata que o Senhor chamou lideranças para libertar e governar o seu povo. Essas pessoas sentiam o peso desse chamado, mas encontravam em Deus a força para não recuar de seus compromissos. Moisés, sentindo-se impotente diante das forças da opressão, ouviu de Deus estas palavras: “Eu estarei contigo” (Ex 3,12). O sinal de estar no bom caminho era a adoração ao verdadeiro Deus e não aos ídolos. Não sabendo Moisés e Aarão o que falariam ao povo, Deus lhes assegurou: “Eu vos ensinarei o que deveis falar” (Ex 4,12). Essas são duas atitudes exemplares para o político: buscar em Deus sua força e não se deixar seduzir por ídolos, tais como o dinheiro e o poder corrupto.

Outra decisão tomada por Moisés foi aceitar a colaboração de homens sábios e experimentados, que ajudassem o povo a se organizar (cf. Dt 1,15). Na legislação dada pelo Senhor, os pobres, os órfãos e os estrangeiros tinham um lugar especial.

Jesus Cristo ensinou a seus discípulos que a atitude básica do cristão revestido de poder é a atitude de serviço, não de dominação nem de busca do proveito pessoal. Ao perceber que os discípulos discutiam entre si sobre quem seria o maior do Reino de Deus, Jesus lhes ensinou que maior é aquele que serve: “Os grandes governam oprimindo o povo. Entre vós não há de ser assim. Quem quiser fazer-se grande entre vós será vosso servidor” (cf. Mt 20,26).

A Igreja, em diferentes momentos históricos, traduziu os ensinamentos do Evangelho na sua doutrina social, base segura de uma ação política honesta e competente. Entre esses princípios doutrinais existe uma hierarquia. O primeiro deles fundamenta os demais: a dignidade da pessoa humana, criada à imagem e semelhança de Deus e a busca do bem comum.  Há ainda o princípio da subsidiariedade, segundo o qual é preciso respeitar a autonomia relativa de cada nível de competência. Ao político cabe conhecer e apoiar as iniciativas de cada comunidade.

 

O papa emérito Bento XVI, em sua primeira encíclica, sobre o amor cristão, afirma que a militância política é missão especifica de todos os batizados, que não se devem furtar às suas obrigações nesse campo. Estes, como cidadão do Estado, são chamados a participar pessoalmente na vida pública, assumindo funções legislativas e administrativas que se destinam a promover, orgânica e institucionalmente, o bem comum” (Deus caritas est, n. 29). A Igreja, enquanto instituição, não assume opções partidárias, mas empenha-se na luta geral pela justiça, ajudando a purificar a razão e a formar a consciência das pessoas: “A Igreja não pode nem deve tomar nas suas próprias mãos a batalha política, não pode nem deve se colocar no lugar do Estado. Mas também não pode nem deve ficar a margem na luta pela justiça. Deve inserir-se nela pela via da argumentação racional e deve despertar as forças espirituais, sem as quais a justiça, que sempre requer renúncias também, não poderá firmar-se nem prosperar” (Deus caritas est, n. 28).  (Texto com informações das orientações da CNBB, sobre as eleições)

 | SAIBA MAIS | »    Nossa solidariedade ao povo de Pinhão... »    Fujamos da tranquilidade... »    Política, Igreja e combate à corrupção... »    Casa Comum, nossa responsabilidade... »    O Ano Santo da Misericórdia... »    Novembro Azul... | TODOS OS ARTIGOS | 
 
Facebook

RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA - ARQUIDIOCESE DE MARINGÁ

Rua Topázio, 732 - Jardim Real

Maringá - Paraná

Fone: (44) 3026-8811

E- mail: rccmaringa@gmail.com